A Internet Como Meio Eletrônico de Evangelização

Everaldo Souto Salvador

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO
A INFORMATIZAÇÃO NA IGREJA CATÓLICA
AFINAL, O QUE É A INTERNET?
. O Início de Tudo
. O que é preciso para se ligar à Internet?
. Serviços Básicos
. A Evolução dos Serviços
A INTERNET COMO MEIO DE EVANGELIZAÇÃO ELETRÔNICA
. O Foco
. As Contribuições da Internet Para o Catolicismo
CONCLUSÃO
REFERÊNCAS BIBLIOGRÁFICAS




INTRODUÇÃO

Por si só, a invenção do telefone provocou uma grande revolução no mundo das comunicações. O advento do computador, associado às telecomunicações, gerou uma nova tecnologia: a teleinformática. Essa tecnologia é simplesmente responsável pela Internet, um novo conceito em comunicação, responsável pela explosão de uma nova era: a da informação. Vivemos um momento em que a informação viaja na velocidade da luz. Temos um exemplo bastante recente, não muito simpático aos olhos de Deus, mas que representa o reflexo da capacidade humana, nem sempre bem aplicada: trata-se da guerra do Kwait e países aliados, contra o Iraque. Naquele evento macabro, tivemos um verdadeiro esmero em transmissões "ao vivo", por satélite, como se a guerra fosse um tema tão atraente para o mundo, quanto as transmissões de uma partida de futebol entre nossa seleção e a da Nigéria foi para os brasileiros nas últimas Olimpíadas de Atlanta, desconsiderando-se o resultado final!

Você já deve ter ouvido falar da Internet, mas talvez não saiba exatamente o que ela é. A Internet é a maior rede de computadores do mundo. Entende-se por rede um grupo de computadores interligados com a finalidade de compartilhar informação e serviços [1].

Imagine agora o maior documento vivo do mundo - milhares e milhares de arquivos de textos gráficos, audio e vídeo interligados em todo o planeta. Nessa gigantesca biblioteca virtual, entre tantos temas, o item religião também tem a sua presença marcante na Internet. Os católicos representam hoje mais de 17,4% da população mundial, ou algo superior a 975 milhões de fieis [2]. Para um número tão representativo, só um instrumento poderosíssimo como a Internet poderá, certamente, somar nos esforços da Igreja em manter o seu grande rebanho unido na fé em Nosso Senhor Jesus Cristo.

A Igreja Católica já tem, de forma muito bem definida, todo um planejamento rumo ao novo milênio. De uma forma particular a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil possui igualmente o seu plano [3] que vislumbra o próximo século. A tecnologia disponível na atualidade imprime uma maior velocidade nas mudanças do nosso cotidiano e a Igreja Católica está sensível a essas mudanças. A Internet deverá ser vista pela Igreja não só como uma ágil ferramenta de comunicação mas, sobretudo, como um instrumento útil de evangelização de um povo cada vez mais carente de Deus.
_______________
1. CLAY, Shirky, Internet, Guia de Acesso por Correio Eletrônico, p.2
2. MARTINUZ, Ervino, Serviço de Notícias da Missão Salesiana, boletim 198 de 24/07/96
3. RELATÓRIO do Programa de Informatização da CNBB Rumo ao Novo Milênio, Abril 1996

Volta ao sumário





A INFORMATIZAÇÃO NA IGREJA CATÓLICA

Os computadores foram introduzidos de forma mais efetiva nas organizações no final dos anos 50, se consolidando nas décadas de 60 e 70 como um valioso auxiliar na automação das tarefas repetitivas de escritório, que envolvesse o tratamento de grandes volumes de informações. Trazendo este contexto para uma simples paróquia, por exemplo, podemos citar as seguintes aplicações práticas:

Há certamente uma infinidade de outras importantes tarefas que poderão ser conduzidas com facilidade através de um simples computador pessoal.

Por outro lado, as universidades americanas são precursoras no desenvolvimento e na utilização da informática em suas atividades de educação e pesquisa. Elas foram responsáveis pela evolução e explosão da própria Internet no contexto mundial. Como há um bom número de universidades católicas nos Estados Unidos, podemos concluir com segurança que foi em solo americano onde a informática começou a ser aplicada também na área religiosa, especialmente no segmento católico. Citamos como exemplo a Universidade de Notre Dame, localizada em Daytona, o maior centro de estudos e pesquisa sobre a Virgem Maria em todo o mundo. São milhares e milhares de informações no campo da fé, dos questionamentos, das aparições, entre outros temas, cuja facilidade só se tornou possível, com o advento do computador.

O Vaticano é um outro exemplo de instituição católica, onde a informática já facilita a catalogação de um precioso acervo de documentos e informações seculares em textos e, futuramente, em imagens, que logo estarão disponíveis para visitas virtuais de organizações e leigos em todo o mundo, através da Internet.

A CNBB, sensível às transformações tecnológicas da atualidade, também tem procurado se modernizar na área da informação. Já no final da década de 80 foram instalados os primeiros microcomputadores para processamento de textos, contabilidade e folha de pagamento. Em 1993 a informatização da CNBB já evoluía para um ambiente de rede local, otimizando processos e agilizando a produção do Boletim Semanal e do Comunicado Mensal, através da utilização de softwares de editoração eletrônica. Hoje, a CNBB já tem sua presença garantida na Internet e já lançou um programa de informatização das Dioceses, propondo a aquisição conjunta de equipamentos e softwares básicos [4].
_______________
4. RELATÓRIO do Programa de Informatização da CNBB Rumo ao Novo Milênio, Abril de 1996
Volta ao sumário





AFINAL, O QUE É A INTERNET?

Para quem deseja se atualizar em relação à tecnologia dos anos 90 e do próximo milênio, precisará aprender muita coisa sobre a Internet. Ela faz o mundo parecer pequeno e permite que você acesse diretamente a partir do seu computador informações relacionadas a quase todos os assuntos imagináveis[5]. Seus usuários são bastantes diversificados - educadores, bibliotecários, empresários, religiosos, cientistas e aficionados por computador, só para enumerar alguns tipos.

A imprensa inventada por Gutemberg tirou os livros das bibliotecas eclesiásticas e os colocou à disposição de todos. A era da informação, que foi precedida por métodos de comunicação novos e avançados tem na informática o seu aliado mais poderoso; a Internet é um recurso impulsionador desta nova era. Já estamos em uma nova dimensão: um mundo eletrônico e virtual em que tempo e espaço praticamente não têm significado [5].
Volta ao sumário





O início de tudo

A Internet nasceu em 1969, nos Estados Unidos. Ela interligava originalmente laboratórios de pesquisa e se chamava ARPAnet (Advanced Research Projects Agency) ou Agência Avançada de Projetos de Pesquisa; net, é uma abreviação de network, ou rede, em inglês.

Tratava-se de uma rede do Departamento de Defesa norte-americana. Era o auge da Guerra Fria, e os cientistas queriam uma rede que continuasse de pé em caso de um bombardeio nuclear. Surgiu então o conceito central da Internet: é uma rede em que todos os pontos se equivalem e não há um comando central.

O nome Internet surgiu bem mais tarde, quando a tecnologia da ARPAnet passou a ser utilizada para conectar universidades e laboratórios de pesquisas, inicialmente nos EUA, seguindo-se por outros países [6]. Hoje ela é um conjunto de mais de 40 mil redes no mundo, que dobra de tamanho a cada ano! O volume de tráfego na Internet está aumentando em 10% a cada mês.

Em 1992 a Internet virou moda quando saiu do mundo acadêmico e da pesquisa e explodiu no segmento privado, constituindo-se em um grande repositório de informações, sendo por isso denominada de Information Superhighway, ou Super-estrada da Informação [6]. A Internet não tem um dono e não pertence a qualquer instituição pública ou privada: cada componente da rede é dono e responsável pelo seu próprio site, desde que respeitadas algumas regras básicas a nível nacional e internacional.

No Brasil tudo foi parecido: copiamos o modelo americano através das nossas universidades, desenbocando na área privada em 1995. O Comitê Gestor da Internet no Brasil avalia que já havia cerca de 300 mil usuários no mês de abril de
Volta ao sumário





O que é preciso para se ligar na Internet?

Há dois métodos de acesso básicos disponíveis para indivíduos:

  • através de um microcomputador equipado com uma interface denominada de modem (ou modem-fax) e uma linha telefônica;

  • através de uma rede local de computadores de uma organização.

No primeiro caso o usuário obtém o acesso a partir de empresas prestadoras de serviços Internet, conhecidas no meio como Provedores. O acesso é feito basicamente através de chamadas telefônicas locais para o Provedor. Os custos variam em função da opção do cliente, no que se refere ao volume mensal de horas acessadas. Em média, algo em torno de R$ 40,00 acrescido de R$ 2,00 por cada hora excedente. O cliente ganha um kit contendo todos os softwares de acesso para os serviços usuais: e-mail, ftp, telnet e www. É oportuno lembrar que o usuário passa a ter conectividade com qualquer site mundial da rede, a partir do seu provedor, pagando apenas uma ligação telefônica local. Quando o usuário reside em uma localidade não servida por provedores de acesso, o mesmo poderá se conectar a uma outra cidade mais próxima que dispõe do serviço mas terá que arcar com as despesas das ligações interurbanas decorrentes.

Quem tem acesso à Internet através de uma rede corporativa de uma empresa ou universidade, não precisa se preocupar com a forma como irá se conectar. Estas instituições já possuem conecções dedicadas com um de acesso a nível nacional que, no caso brasileiro, poderá ser através da Embratel ou da Rede Nacional de Pesquisa, RNP, órgão do Ministério de Ciência e Tecnologia,.
Volta ao sumário





Serviços Básicos

No início a Internet permitia apenas três serviços básicos: o correio eletrônico ou e-mail, conexão remota por Telnet e transferência de arquivos ou FTP.

O e-mail (electronic mail) ou serviço de mensagens, é o recurso mais antigo da Internet. Qualquer pessoa que tem um endereço eletrônico pode escrever e enviar uma mensagem de texto para outro usuário ou para um grupo deles. Trata-se de uma nova concepção de correio: você posta uma correspondência qualquer e, dependendo da disponibilidade do destinatário, poderá obter a sua resposta em questão de minutos, independendo do local de destino. E tem mais, você poderá "anexar" ainda programas, imagens e até audio, todos em forma de arquivos. Numa pesquisa mundial realizada em 95 pelo instituto norte americano JUPITER, [7] 91% dos entrevistados afirmam que o principal uso que fazem da Internet é o correio eletrônico.

Telnet é um recurso interativo que permite acessar remotamente programas e aplicações disponíveis em outro computador. Por exemplo, através do login remoto, você poderá acessar a um computador de uma universidade católica americana, a exemplo da Universidade de Notre Dame, e obter informações sobre as aparições da Virgem Maria em Fátima, Portugal, sem a intervenção de terceiros.

A transferência de arquivo se constitui em outro recurso básico da Internet onde qualquer usuário poderá trazer para a sua máquina arquivos localizados em outros sites, ou computadores remotos, localizados a milhares de quilômetros de distância, igualmente sem a intervenção de terceiros. Esse serviço é conhecido como FTP (File Transfer Protocol).
Volta ao sumário





A Evolução dos Serviços

Você também pode "conversar" na Internet, através da troca de palavras escritas on line e em tempo real. O IRC (Internet Relay Chat) apesar de ter sido criado em 1988 na Filândia, foi implantado nas universidades americanas principalmente para estudantes que tinham tempo para jogar fora! Hoje, encontramos gente de todos os tipo e idades no IRC, que é encontrado na Internet através dos chamados canais. Há uma infinidade deles. Por exemplo, existiam canais IRC para que varias pessoas no mundo pudessem fazer CHAT´s com pessoas e instituições localizadas em áreas onde ocorriam eventos extraordinários como no terremoto de Kobe (Japão), em 1995 e após o assassinato de Ytzhak Rabin.

A lista de discussão, ou mailing list é uma aplicação do correio eletrônico que permite a realização de uma discussão pública enviando-se mensagens para um endereço de correio eletrônico central de onde tais mensagens são posteriormente distribuídas para outros participantes da lista [8]. Uma lista de discussão é um verdadeiro ponto de encontro, onde seus assinantes trocam idéias, opiniões e experiências. É um recurso simples e eficiente, muito usado hoje na Internet. Na página MUNDO CATÓLICO podemos ver um exemplo de uma lista de dicussão intitulada Católicos, mantida pela já famosa esquina-das-listas, suportada pela UNICAMP. Para que domina a lingua inglesa, o Catholic Mailing List apresenta dezenas de sugestões de listas de discussão sobre a religião católica suportadas por instituições americanas

A Usinet é uma coleção de mais de 15 mil grupos de discussão. Foi criada em 1979 e até então era utilizada apenas para os mais versados em informática, visto que utilizava sistemas operacionais baseado em Unix, não muito amigável como o DOS, por exemplo, que é bastante conhecido no mundo da microinformática. Este serviço era utilizado para comunicação entre cientistas, pesquisadores e professores. Hoje é bastante difundido na Internet; ele se assemelha ao mailing list mas tem algumas peculiaridades que o diferencia deste.

A World Wide Web ou simplesmente Web, expressão que significa Teia Mundial ou Teia de Alcance Mundial, foi criada em 1991 na Suíça e era utilizada unicamente como um serviço de interligação de computadores de laboratórios de pesquisas científicas. Já em 1993 estudantes de universidades americanas faziam "páginas" com informações pessoais. A criação de um software de visualização de "páginas" , conhecido como browser, e que recebeu o nome de MOSAIC foi o grande propulsor deste serviço. A chave da WWW é o hipertexto, recurso que permite disponibilizar na Internet informações multimídia, combinando textos, imagens (fixas e dinâmicas) e audio, dando "vida" à Internet. A WWW tem ainda a grande vantagem de tornar a "navegação" do usuário mais simples, descomplicada e atraente, permitindo que pessoas não iniciadas em informática tenham as mesmas facilidades que os mais versados nesta área. É que a "antiga" Internet, antes da Web, exigia do usuário maior conhecimento de Unix e só apresentava informações no formato de textos, o que limitava o seu uso apenas ao pessoal da área de informática.
_______________
5. ERCÍLIA, Maria, Bê-a-bá da Internet
6. RELATÓRIO do Programa de Informatização da CNBB Rumo ao Novo Milênio, p.4
7. op.cit, ERCÍLIA, Maria
8. CLAY, Shirky, Internet, Guia de Acesso por Correio Eletrônico, p.3

Volta ao sumário





INTERNET COMO MEIO DE EVANGELIZAÇÃO ELETRÔNICA

Conforme a tradição apostólica [9], Jesus Cristo ordenou aos Apóstolos que o Evangelho, prometido antes pelos profetas, completado por ele e por sua própria boca promulgado, fosse por eles pregado a todos os homens como fonte de toda a verdade salvífica e de toda a disciplina de costumes, comunicando-lhes dons divinos. A transmissão do Evangelho, segundo a ordem do Senhor, fez-se de duas maneiras:

  • oralmente, "pelos apóstolos, que na pregação ora, por exemplos e instituições, transmitiram aquelas coisas que ou receberam das palavras da convivência e das obras de Cristo ou aprenderam das sugestões do Espírito Santo";

  • por escrito, "como também por aqueles apóstolos e varões apostólicos que, sob inspiração do mesmo Espírito Santo, puseram por escrito a mensagem da salvação".

Através da Tradição, a Igreja, em sua doutrina, vida e culto, perpetua e transmite a todas as gerações tudo o que ela é, tudo o que crê.

No encerramento do presente século, apesar do atraso, a Igreja Católica começa a aderir a outras mídias eletrônicas para se comunicar com seu rebanho. Como trazer de volta cerca de 100 milhões de católicos no Brasil, dos quais, calcula-se, apenas cerca de 20% são praticantes? Esse rebanho rebelde, imerso nas preocupações da sobrevivência material, disperso em grandes cidades e em rincões perdidos, assediados por um número cada vez maior de seitas, tem entretanto, na linguagem da televisão, uma unanimidade na informação e no lazer [10]. A televisão atinge certamente todas as classes sociais, sendo mais marcante nas classes menos favorecidas. Quais as melhores mídias para divulgar a palavra de Deus através das gerações? Depois da televisão, que detém uma larga vantagem sobre as demais, a Internet já é considerada também uma mídia poderosíssima, tendo o seu papel importante na evangelização de uma classe que tem estado mais preocupada com explosão consumista, onde o ter é sempre mais importante do que o ser, ficando a vida espiritual cada vez mais em segundo plano.

Temos a convicção de que a evangelização através da Internet deverá enfocar efetivamente o cidadão a partir da classe média, com alguma penetração nas classes mais elevadas; as classes menos favorecidas, por razões óbvias, só serão atingidos pela via indireta, ou seja, através da própria classe média, conforme explicaremos mais adiante.
Volta ao sumário





O foco

O foco maior da evangelização através da Internet é a classe média. E por que isso? Porque há dois movimentos de Igreja que crescem muito nessa classe:

  • Encontros de Casais com Cristo (ECC);

  • Grupos da Renovação Carismática Católica.

O primeiro traz de volta para a Igreja os católicos até então afastados, isto é, não praticantes; o segundo direciona um segmento de católicos praticantes para uma atividade mais voltada para o lado espiritual, com ênfase no Divino Espírito Santo. O aumento da fé e da dinâmica religiosa desse pessoal resulta, em tese, numa prática de vida mais voltada para as coisas de Deus e dos irmãos carentes e excluídos. Daí decorrem as ações das equipes de pastorais, por exemplo. Portanto, para quem tem facilidade de se conectar à Internet, acaba tendo grande facilidade de acesso às informações de cunho religioso, repassando-as, inclusive, para os mais humildes, diminuindo a falta de conhecimento e a ignorância. Sem dúvida, essa nova mídia se encaixa plenamente nos propósitos da Santa Sé, quando o nosso Papa João Paulo II afirma que a Igreja deverá utilizar-se todos os recursos tecnológicos da atualidade para manter o povo de Deus unido na mesma fé em Jesus Cristo.
Volta ao sumário





As contribuições da Internet para o catolicismo

Sob o ponto de vista das organizações católicas, a Internet se apresenta como uma excelente ferramenta de veiculação de informações da Igreja em todas as suas áreas de atuação, pois tem facilitado a pesquisa e o estudo compartilhado entre instituições localizadas em locais remotos, a nível global.

Em recentes pesquisas realizada através da grande teia mundial, constatamos a presença da Internet nas seguintes áreas:

  • organizações oficiais da Igreja, como a Santa Sé, Conferência Nacional dos Bispos dos Brasil, Dioceses, Paróquias e Universidades Católicas;

  • ordens religiosas, entre elas, a Ordem Franciscana, Ordem Dominicana, Ordem de Santo Agostinho, Ordem Salesiana, Ordem Jesuíta, Ordem Carmelita, só para citar algumas;

  • livrarias e editoras voltadas para publicações na área religiosa;

  • empresas especializadas em artigos religiosos;

  • museus virtuais com grandes acervos de reprodução eletrônica de pinturas com temas religiosos expostas no Vaticano e no mundo afora;

  • jornais, revistas e outras publicações católicas voltados para segmentos específicos da Igreja, como ordens religiosas, grupo de jovens, renovação carismática, etc.;

  • estações de rádio e televisão com programação dedicada ao catolicismo;

  • leigos e grupos interessados em compartilhar conhecimentos e experiências específicas.

Há de se destacar que na Internet o usuário tem plena liberdade de criar o seu próprio espaço para transmitir as suas opiniões e idéias sobre qualquer tema da humanidade. Para compor uma "página", por exemplo, o usuário não precisa ser necessariamente uma empresa ou uma instituição qualquer. Não precisa fazer registro em qualquer órgão oficial, nada; basta ter um bom propósito e utilizar-se de todos os recursos disponíveis na própria rede. Não precisa ser um especialista em informática nem ser necessariamente um doutor no assunto. É só criar um espaço que seja do agrado e do interesse de um público alvo, com informações de qualidade e de boa procedência. Neste contexto, o leigo católico também tem seu espaço garantido na Internet. São milhares de "páginas" católicas produzidas no mundo por pessoas e organizações que disponibilizam informações de interesse da fé cristã. O número de páginas católicas brasileiras tem crescido num rítmo bem parecido ao do crescimento da própria Internet.

A experiência de leigo atuante na Igreja e na Internet passou a ser particularmente gratificante, quando decidimos criar em junho de 1996 uma "página" intitulada MUNDO CATÓLICO, cujo objetivo inicial era o de ser um mero agregado de links, ou "caminhos" que permitisse ao navegante alcançar um site qualquer para obter informações religiosas de seu interesse. Essa singela experiência, ocorrida numa época em que o número de opções de "páginas" brasileiras, escritas obviamente na língua portuguesa, era bastante reduzido. Já no mês de setembro deste mesmo ano, a nossa página evoluía para um serviço gerador ou repassador de outras informações úteis na área do catolicismo, tornando a vida do leigo mais fácil na sua caminhada de fé pelo mundo virtual da Internet.
_______________
9. ANÔNIMO, Catecismo da Igreja Católica, p.34
10. LORENZETTI, Elizabeth, Marketing do Senhor, p.12

Volta ao sumário





CONCLUSÃO

Quem deve assumir a tarefa de evangelização? Padres, religiosos, leigos iniciados em religião? Ora, o povo de Deus se organiza em comunidades, paróquias e dioceses. Todos formamos a Igreja, que sempre está próxima da realidade e de seus desafios. Ela é a responsável maior pela inculturação do Evangelho, que aos poucos vai assumindo o rosto do povo, de sua cultura, de sua vida.

O católico de hoje deve se ligar à sua comunidade e à sua paróquia por varias maneiras:

  • pela oração;

  • pela sua presença e ação;

  • pelo seu interesse pelas pessoas responsáveis por tantas tarefas importantes para a vida da Igreja.

Para quem se liga e está atualizado também com a tecnologia do terceiro milênio, o usuário da Internet poderá também ser ator da "Nova Evangelização Eletrônica" na sua casa, no seu ambiente de trabalho, no lazer, na sua comunidade, no mundo.

A ação do católico, através de instrumentos como a Internet certamente contribuirá para a renovação da Igreja e do cristão. Você vai ver que muita coisa vai mudar. Você também muda!

Vimos portanto como o recurso da Internet poderá contribuir de forma significativa na evangelização de hoje e do próximo século. Ela é rica em ferramentas que poderão facilitar principalmente a vida de religiosos e leigos em cada atividade da Igreja, haja visto a sua grande penetração, a nível mundial. A humanidade cresce e evolui ao longo dos tempos: antes a comunicação era feita através do boca-a-boca. Depois a comunicação evoluiu para o pergaminho, para o papel e, agora, para o mundo virtual criado pela tecnologia da informática.

Everaldo Souto Salvador
Webmaster de MUNDO CATÓLICO
Volta ao sumário





REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANÔNIMO, Catecismo da Igreja Católica, São Paulo: Vozes, 1993, 744p

CLAY, Shirky, Internet, Guia de Acesso por Correio Eletrônico, Rio de Janeiro: Infobook, 1994, 296p, tradução de Cláudio Costa, 273p

ERCÍLIA, Maria, Bê-á-bá da Internet, Universo On Line, São Paulo, consulta feita na Internet em 10/09/96

LAGUEY, Tracy & RAYER, Jeanne C., O Manual da Internet, um Guia Introdutório para Acesso às Redes Globais, Rio de Janeiro: Campus, 1994, 270p

LORENZOTTI, Elizabeth, Marketing do Senhor, Tela Viva, São Paulo, 48: 12-14, junho 1996.

MARTINUZ, Ervino, Serviço de Notícias da Missão Salesiana de Mato Grosso, Christus Rex, Boletim nº 198

RELATÓRIO do Programa de Informatização da CNBB Rumo ao Novo Milênio, apresentado na 34ª Assembléia Geral de Itaici em abril 1996, CNBB.

This HTML document was created by GT_HTML 6.0d 30/09/95 23:25.
1